quinta-feira, 5 de março de 2009

PEQUENOS GÊNIOS... Ou a Sociedade Repressora Em Que Vivemos...

Num certo dia, caloroso e pachorrento de verão, um pequeno gênio mostra sua cara ao mundo...

Arquiteta, aos oito anos de idade, um genial, maquiavélico, infalível plano para ludibriar a marcação cerrada (ou nem tanto) de seus controladores...

Ora pois, em sua escola, que passava por uma espécie de reforma de pequena monta, naquele momento, por aqueles dias, estavam para serem instalados equipamentos de ar condicionado nas salas...

O que fez nosso pequeno geniozinho? Pensou, pensou e pensou... E bolou um plano!

A comunicação entre a escola e os pais se fazia através de uma agenda! Uma impessoal e fria agenda... Uma escola que prega valores cristãos... Por mais que eu os questione, ele para lá foi “estudar”... Uma boa escola, sem dúvida, uma boa escola...

Pois bem... O jovenzinho pegou sua agenda... Maquiavelicamente, ardilosamente, genialmente... Escreveu um bilhete... Na sua agenda... E o bilhete dizia o seguinte:

-Segunda feira não haverá aula, pois estarão instalando o ar condicionado!

Pois bem... Segunda feira não haverá aula! Festa para o menino-gênio... Não haverá aula!!!

Pais, avós, babá!!!! Todos acreditam, pois afinal de contas, a agenda, gélida, impessoal, incapaz de emitir seu parecer, era o meio de comunicação entre a instituição escola e seu lar. Nada melhor do que a agenda para transmitir esse recado... Não haverá aula na segunda feira, por um motivo justificável... Os equipamentos seriam instalados!

Pensei em ligar para a escola, confirmar e tal... Não o fiz... Nem sei por quê! Mas não o fiz!! Ninguém o fez!!!

Não posso dizer que ele mentiu. Mentir é algo que aprendemos feio, desonesto. Pessoas “do bem” não mentem... Vã ilusão... Todos mentem! O que diferencia uma mentira da outra é a “intenção”, a “maldade” imbuída na mentira... E nosso geniozinho não usou de nenhum desses subterfúgios deletérios. Apenas... mentiu!!! Só isso!

Mas, na condição de pai do geniozinho, ao saber do fato, fiquei.... EXTREMAMENTE FELIZ! Meu filho foi simplesmente genial! Enganou a todos... Mentiu maravilhosamente!

Só não contava, e não avaliou no lampejo de sua genialidade, que a verdade, ainda que tardia, sempre vem à tona. E veio. Como sempre. Veio.

Somos escravos de uma sociedade que limita e limita o ser humano. Somos pacotes moldados por falidos e fracassados credos morais, religiosos, por costumes e modas que não sabemos serem os melhores possíveis ou os piores possíveis para nossa curta existência nesse infeliz mundo.

Nossas vidas são mares de tristeza e infelicidade permeados por pequenos lampejos de alegria, que nos fazem persistir teimosamente em viver... Nosso ópio consiste em pequenos e fugazes lampejos de alegrias.

Contrariando toda a bagagem moral, ética, religiosa, todo o caramba de porcarias que formam minha “personalidade”, pensei...

Esse cara não merece um castigo, mas merece sim um prêmio! Genial! Fabuloso! Uma mente que, aos oito anos de idade, urbanóide convicto, doméstico por imposição do status quo supressivo e sufocante que é nossa vida social nesses dias, cria uma artimanha infantil pra nada mais do que ficar em casa, curtindo um vídeo-game, a TV, o computador... Não. Não merece castigo. Merece prêmio! Merece louros.

E ganhou...

Uma semana de castigo!

Um comentário:

raquel disse...

As estratégias se fazem necessarias nessa sociedade de controle,isso mostra um pouco que temos solução, que não somos meramente massas de indivíduos, e que a essência esta no exercício de estarmos o tempo todo criando estratégias contra as perversidades...